Profissionais capacitados de Segurança da Informação se mostram cada vez mais necessários no mundo corporativo

, , ,

Uma pesquisa Global Forensic Data Analytics Survey 2018, realizada pela Ernst & Young, aponta um aumento do uso de análise forense de dados (FDA) pelas empresas, prática vista por 59% dos entrevistados como efetivo em investigações internas nas organizações. O levantamento foi realizado com 745 executivos de 19 países, incluindo o Brasil, e mostra que o uso da FDA auxilia de maneira eficaz no gerenciamento de riscos de corrupção, proteção e privacidade de informações dentro das organizações, estendendo-se também no âmbito da cibersegurança.

No meio digital, o profissional que procura por evidências até encontrar a origem de cada incidente criminoso está cada vez mais presente nas equipes de Segurança da Informação, devido à preocupação com ameaças emergentes que podem não só ocasionar prejuízos financeiros, mas também afetar a credibilidade de marcas. Como todo tipo de contato deixa rastro – inclusive os digitais –, os profissionais de segurança digital precisam ter a capacidade de analisar e encontrar esses vestígios e, para isso, precisam sempre se manter atualizados para garantir sua atuação efetiva.

Outras habilidades do profissional de Segurança da Informação

A Análise Forense é apenas uma das várias especialidades dos profissionais de Segurança da Informação. Ransomwares, phishing, invasões e ataques de negação de serviço, entre outras ocorrências que miram bancos de dados, servidores, redes, sites, sistemas operacionais e dispositivos conectados, criam um vasto universo de situações que demandam ações diferenciadas e estratégicas para cada caso. Também faz parte do trabalho desse profissional, estabelecer regras e políticas que evitem fraudes e vazamento de informações por parte dos colaboradores internos.

De forma geral, o profissional de Segurança da Informação, independentemente da especialidade, precisa ter conhecimento aprofundado em hardwares, redes e sistemas operacionais, além de entender o modus operandi de cada modalidade de crime virtual para conseguir decifrar sua codificação e coletar as informações sem que sejam corrompidas ou colocadas em risco.

Diante de um amplo volume de informações, o uso e a adaptação às novas tecnologias é fundamental. O Deep Learning, Machine Learning e a Inteligência Artificial, por exemplo, são soluções que podem ser utilizadas para proporcionar maior rapidez e assertividade durante uma análise de um incidente ou na identificação de um padrão suspeito meio a um volume grande de dados, por exemplo. Nesse ponto, a criatividade é um grande diferencial para os especialistas.

Muito embora a Segurança da Informação seja uma preocupação crescente de nas empresas, a segurança básica ainda é negligenciada, principalmente em relação às áreas de pesquisa e desenvolvimento. Outra questão incipiente é o fato de que muitos profissionais da área ainda não têm a visão de que quem atua nesse setor precisa ter a responsabilidade ética de conhecer todos os departamentos da empresa em que atua para  entender o seu funcionamento e conseguir atuar da melhor maneira possível no monitoramento, prevenção, detecção e resposta efetiva aos incidentes.

0 respostas

Deixe uma resposta

Deixe seu comentário abaixo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *